<th id="afvun"></th>

        <dd id="afvun"></dd>
        <progress id="afvun"></progress>
      1. <dd id="afvun"></dd>
          Rico Vasconcelos

          Rico Vasconcelos

          Siga nas redes
          Só para assinantesAssine UOL
          Opini?o

          é preciso falar mais de HIV/Aids, mas do jeito certo

          O HIV é uma partícula minúscula, formada de proteína e RNA. Mas com seus poucos nan?metros de diametro, foi sem dúvida o vírus que provocou o maior impacto na humanidade.

          Muito além dos impactos biológicos provocados no corpo de quem se infecta com ele, o HIV, sua epidemia e tudo mais que ocorreu em decorrência deles mudaram a forma como a sociedade enxerga o sexo e a sexualidade.

          Sendo assim, um ser humano só estará adequadamente capacitado para viver nesse mundo no período pós-década de 1980, se conhecer conceitos básicos sobre a epidemia de HIV e tiver encontrado uma maneira de lidar com esse vírus de forma saudável, seja ela para sua preven??o ou para seu tratamento.

          Essa "capacita??o em HIV", no entanto, quando se dá moldada pelo senso comum, na maioria das vezes desemboca em constru??es equivocadas de estigmatiza??o e culpabiliza??o das pessoas que vivem com HIV/Aids, provocando sobre elas um marcado sentimento de julgamento e discrimina??o, ao que damos o nome de sorofobia.

          Qualquer cidad?o, portanto, que nasce no Brasil e cresce no piloto automático, tem grandes chances de ser sorofóbico.

          Exemplos dessas constru??es equivocadas que circulam de forma corriqueira s?o ideias como "Para acabarmos com a epidemia de HIV é fácil, basta usar camisinha" ou ent?o "Pegou HIV porque fez coisa errada".

          Constru??es como essas n?o só n?o ajudam no controle das novas infec??es, como também colocam o enorme peso da culpa da epidemia sobre os ombros das pessoas que vivem com esse vírus. Afinal, por elas se conclui que "pegaram porque quiseram".

          A dinamica da epidemia de HIV/Aids é bem mais complexa que isso. é influenciada por inúmeros fatores que passam, sim, por aqueles individuais e biológicos, como por exemplo o número de parcerias sexuais de um indivíduo, o tipo de sexo praticado e o uso de métodos de preven??o; mas também por determinantes sociais, tais as barreiras de acesso à educa??o, saúde, seguran?a e cidadania.

          Dito de forma direta, além do sexo sem camisinha, a LGBTfobia, a pobreza, a falta de educa??o, o machismo, o abuso de substancias, a ausência de uma rede de acolhimento e a n?o implementa??o de políticas públicas de preven??o funcionam também como combustíveis para a dissemina??o do HIV.

          Continua após a publicidade

          O ensino e a compreens?o dessas complexidades e das dimens?es que permeiam as formas com que o HIV interage com a sociedade podem se dar de muitas formas além daquelas acadêmicas e universitárias, promovendo essa discuss?o em ambientes alternativos e leigos, e melhorando aquilo que chamei acima de "capacita??o em HIV".

          Ao longo dos 43 anos de epidemia de HIV/Aids, muitos livros, músicas e produ??es teatrais ou audiovisuais se propuseram a trazer por meio da arte essa discuss?o para a vida real das pessoas que n?o vivem com HIV, levando-as a refletirem sobre os equívocos que acreditavam ser verdades sobre essa epidemia.

          Entre as obras que o fizeram de maneira primorosa e bem-sucedida está a "Trilogia para a Vida" de teatro musical realizada pelo Núcleo Experimental de S?o Paulo (@nucleoexp), recém-lan?ada na forma de livros pela Editora Ercolano (@ercolanoeditora).

          S?o 3 pe?as que abordam diferentes aspectos do impacto do HIV/Aids na sociedade. Na primeira, "Lembro todo dia de você", um jovem rapaz gay busca formas de lidar com seu diagnóstico e com a sorofobia do mundo em que vive.

          Na segunda, "Brenda Lee e o Palácio das Princesas", a vida de uma figura história da epidemia paulistana de HIV é usada como argumento para discutir o universo das travestis e mulheres trans. E na última, "Codinome Daniel", é retratada a trajetória de uma vida inteira de luta do ativista importante, mas pouco conhecido, Herbert Daniel.

          Por darem o tamanho certo tanto para o vírus quanto para a sorofobia, e por seu potencial de ajuda na "capacita??o em HIV", eu recomendo as três obras como porta de entrada nessa temática para todos os brasileiros.

          Continua após a publicidade

          Se quisermos avan?ar no controle dessa epidemia de estigmas, precisamos falar mais sobre o assunto com a popula??o geral, mas n?o com o tom sombrio de busca por culpados, e, sim, com acolhimento e vida.

          Opini?o

          Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opini?es, a partir da interpreta??o de fatos e dados.

          ** Este texto n?o reflete, necessariamente, a opini?o do UOL

          Deixe seu comentário

          Só para assinantes
          国产精品揄拍100视频,先锋影音va资源网站,美.国一级黄片,黄色电影免费看

              <th id="afvun"></th>

              <dd id="afvun"></dd>
              <progress id="afvun"></progress>
            1. <dd id="afvun"></dd>